domingo, 25 de julho de 2010

Direção

Não sobra muito no que pensar quando sua mente está lotada. Chega uma hora na vida de um homem que, no dito popular, ou vai ou racha. A hora do fazer, ou ser só mais um. E pelo amor, eu não suportaria ser só mais um. Então escolhi ir, ainda em referência ao dito popular. Me sinto bem, me sinto satisfeito, focado e com um objetivo. No que se diz à avaliação do esforço de cada um, talvez seja esse o patamar de satisfação que todos nós buscamos. Certamente foi o que busquei durante esse tempo todo.
Pouco podia ser pior do que ficar à deriva. Era uma tortura, demorada e angustiante, a espera de um evento que me comovesse. Mas à medida que se doma o próprio ego - e o meu é um animal arredio - percebe-se que a medida mais fácil pra fugir do ostracismo é comover-se a si mesmo, pelo próprio sentido de comover-se. Depois de subjugada a vontade, não há necessidade de esperar um empurrão do destino em direção às estrelas se você mesmo é capaz de fazer esse salto.
Me sinto norteado, e pra mim é o suficiente, por enquanto. Acho que é melhor esperar a hora de dar um salto maior do que esperar ser empurrado pra cima pelo destino.
Encham a cabeça de objetivos. Pensem em sempre crescerem; desejem serem maiores do que nasceram pra ser.

Stephen King disse: "se você não nasce grande demais pras suas calças, como pretende vesti-las um dia?"
Impossível ser mais sábio, e talvez seja impossível ser mais feliz do que desta forma.

3 comentários:

Tamyle Dias Ferraz disse...

o que está dentro é importante, as nada como um empurrãozin de fora né...


gosto muito de vir aqui.

Tamyle Dias Ferraz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Symphony of Iluvatar disse...

Cara, pára de parar de escrever, po.