quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Miséria

Caralho, não passei pra UFF. Tirei 44, onze acertos a mais que a nota de corte, e não passei pra segunda fase. Tomar um tiro de escopeta no estômago o teria revirado menos do que saber dessa porra. E agora eu estou BEM puto. Resultado? Insônia, meus amigos.
Pra que diabos eu fui escolher Medicina? Eu nem gosto dessa merda! Eu não ligo a mínima se o cara na minha frente - aquele com o tubo de PVC atravessado na omoplata - vai viver pra contar a história de como ele quase morreu e foi salvo por um estagiário simpático pros netos ou não. De fato, eu não poderia ligar menos; só pensaria em ir pra casa e tomar um banho pra me lavar dos resíduos da morte rotineira. Claro, isso tudo, se eu tivesse passado pra merda do curso que eu não gosto na UFF.
O que me emputece mais é que eu poderia passar fácil. Era só estudar um pouco. Literalmente um pouco: coisa de duas horas por dia, estourando. Mas não, o idiota aqui não estudou o ano todo, e agora, na última semana, correu atrás. Acho que não aprendi a falhar e a conviver com isso. Com certeza, isso explicaria muita coisa.
Mas pra que eu ia estudar? Eu não queria essa porra de vida. Pelo contrário: eu quero uma vida. Ser médico não é viver; é se sacrificar. O Martírio do Santo Eu. Quero chegar na merda da minha casa, num subúrbio fedorento e recém-invadido pela violência urbana da metrópole, dar um beijo nos meus filhos e na minha esposa e assistir TV enquanto o dr. House vive a vida infeliz dele, ao mesmo tempo em que penso "que bom que o imbecil do outro lado da tela não sou eu". Não nasci pra ser gavião engaiolado, como disse uma vez um amigo.
Seria mais fácil se eu soubesse exatamente o que quero. Mas o que eu quero é viver de arte. E arte não alimenta outra coisa, senão o espírito indomável do artista e o desejo afável do apreciador; não a fome aplacável das sete horas da noite. Não me vejo fazendo qualquer outra merda senão isso, e acho que nesse ponto, eu me fodi. Dizem que a vida é grande, e que erros são esperados e podem ser consertados; mas um ano é tempo demais pra se jogar fora. Acho que descobri isso tarde demais. Minha esperança agora é a UFRJ, aonde felizmente (ou "infelizmente", se esse post fosse datado de três dias atrás) eu optei por prestar pra Imunologia e Microbiologia, e isso, meus amigos, eu amo DE PAIXÃO. Tanto quanto música bem pensada; tanto quanto surrealismo e subjetivismo literários; tanto quanto aquela tempestade desgraçada. Chegar à essa conclusão me tranqüilizou bastante...
Não sei o que quero, apenas o que não quero, mas morro de raiva por não conseguir o que não quero ter. É, eu sei, eu sou patético.

"Fumaça" não é a palavra certa, mas é a primeira que me vem à cabeça.
Tenho a impressão de que a palavra certa é "dezenove".

19

- Ao som de: The Blood Brothers - Devastator -

6 comentários:

Lady Trash disse...

Ai querido, eu realmente sinto muito. Mas pense, melhor uma derrota agora do que depois. Todo mundo comentou que a nota de corte foi 48 e isso assustou aaté a mim. Imagina alguem que acerta 73% numa de conhecimentos gerais, o que não faria numa específica. Só posso dar graças que eu sempre odiei biologia ou também teria levado essa porrada agora. Mas eu sei o que me aguarda, e tirar 7,5 numa prova específica de física, matemática e redação não parece ser muito possível. Só te desejo boa sorte na UERJ pq vc, seu corno, tirou A e que a gente arranje alguma merdinha na UFRJ.
Yours,
Lady Trash

raissa disse...

caralho.

q porra q n é o vestibular, mais eu e agora desculpa, mais vai rolar uma conexão, nao to prestando vestibular nenhum pq vou fzr artes visuais na particular pra passar o curso td desenhando e ser artista ;)

maisn vc facilmente passa no fundao, relaxa e curte a microimunologia

:D

Smokey Mcpot disse...

Eu passei na UFF, mas já esperava por isso.
Mas to chocado com você...que merda, hein?
Bem...há males que vem para o bem.
Você gosta de fazer arte. Mesa de cirurgia não combina com arte. O Dr. Frankenstein quis combinar medicina com arte e foi condenado.
Sei lá. Acho que essa é mais uma daquelas lições: "Siga seu coração", sabe? Ou uma daquelas: "Estuda, cacete!"
Faz o que você. Você sempre disse que gostava de famárcia e afins. Portanto, alegre-se de não ter sido cortado do jogo ainda!

Oráculo disse...

Encarei exatamente como uma lição de "siga seu coração". Comecei a escrever bem puto, mas quando terminei, tava bem tranquilo por entender o acontecido dessa forma.
E parece que temos mais um - no caso, uma - artista comentando aqui.

Lady Trash disse...

e se vc fizesse letras? uhshuasuhuhs
de qualquer jeito, vc é igual a mim: qdo nós achamos que nos fudemos, temos sempre uma carta na manga.

Anônimo disse...

eh meu amigo(a) vc sou eu, mas uns capitulos à frente.. =/
me identifiquei 90% com seu texto (menos a parte das artes).. acho q esse blog morreu, mas nao custa nada postar.
vo lá seguir seu conselho e começar a estudar 2hrs por dia e vc ver se resolve =)